quinta-feira, 20 de maio de 2010

Morte certa


Diante de mim uma porta aberta. Lúgubre vereda e seus adornos. De espinhos. Sussurro aos brados. Palavra nua. Crua. Tua voz em gume punge minh`alma.

Síncope.

Ira dos deuses sobre um espírito inocente. Clemente. Parada obrigatória na infinitude dessa história de incertezas. Caminho torto. Desacerto. Reclamos de um ser inconstante. Desatino. Morte lenta. Partida certa. Festa.

Um comentário:

Thannyth disse...

Mais uma vez te encontro por entre meus escritos. Desta vez em um outro canto, em um outro texto. Não sabes como é feliz poder ler teus comentários. Se podes seguir meus poemas? Seria uma honra! Novamente vim aqui, em poucas palavras, agradecer e comentar em um, dentre tantos outros que me encantaram. Gostei do vocabulário deste, da magia e do toque mistico. *-*