sexta-feira, 30 de abril de 2010

Poesia, amém


Poesia
punhal que fere
inflama
em febre
ferida incisa
penhor de vida
incontida
abatida
qual flama à espreita
punção no peito
no leito
achaque
choque de chofre
num verso pobre
descobre
e se envolve
sacode
implode
furor de ventre
semente
ardente
germe do bem.
Amém

2 comentários:

Leo disse...

Ouvi tua voz
e vim te ver.
te trouxe meu
abraço e meu
sorriso, não
te esqueço, venho
e te busco
nas palavras
nas imagens
e a sinto aqui.

Shala disse...

Que permaneça!

Honrada pelo teu olhar.