terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Carolina

Espera
me olha
apóia
verto por ti
água do cerne
sangue das veias
vivo por ti
pra ti
ascese
respira em mim
vem pra mim
sou assim
festim
pequena menina
linda
carola
Carolina
das matas
do chapéu
dos morros
das águas
sedenta
me sente
sustenta
me cuida
fomenta
me livra
da fatal hemorragia
do mal de todo dia
demagogia
da vã filosofia
da vil hipocrisia
do lodo
do lixo
da lata
do mortal veneno
bárbaro e obsceno
me abstém pra ser tua
e dos teus
além da lembrança
esperança
eterna criança
teu canto das águas
teu riso e abrigo
sempre teu
paraíso

Um comentário:

Evilene disse...

Ai que lindo!!! Amei este poema. Bjo! Evilene